Publicado em Leitura, Psicologia

Nise da Silveira <3

“Desprezo as pessoas que se julgam superiores aos animais. Os animais têm a sabedoria da natureza. Eu gostaria de ser como o gato: quando não se quer saber de uma pessoa, levanta a cauda e sai. Não tem papo.”

just_cat_more_space

“Eu me sinto bicho. Bicho é mais importante que gente. Pra mim o teste é o bicho, se não passar por ele, não tem vez. Freud disse que quem pensa que não é bicho, é arrogante.”

Publicado em Leitura, Psicologia

“Você vai trabalhar no SUAS”

O SUAS só pode ser um campo para os indignados: aqueles que esbravejam contra as desigualdades e injustiças que permeiam a vida dos nossos usuários, aqueles que esbravejam contra as dificuldades que permeiam a atuação dos trabalhadores do social. Podemos estar longe das transformações necessárias para a efetivação da política. Mas estamos no caminho.

De Lívia de Paula, em “Você Vai Trabalhar no SUAS”: Considerações sobre uma não-escolha.

Publicado em Leitura, Psicologia

Nada é verdadeiramente uma desgraça.

Nada é verdadeiramente uma desgraça. Tudo depende da atitude em relação ao fato. “Todos os fatos são externos”, disse Marco Aurélio, “quem se manifesta a respeito deles? Tu. Logo, é a tua opinião que lhes dá vida para teu bem ou para teu mal”.

Quem procura a felicidade a encontrará, desde que transforme o interesse do próximo no seu próprio. A felicidade e, portanto, a alegria de viver significam aceitar a realidade e utilizar as possibilidades do dia-a-dia.

Finalmente, a fórmula mais concisa contra os desgostos, que podem destruir o amor à vida, quem nos dá é a filosofia hindu: “Se tuas penas têm remédio, por que te preocupas? Se não têm, por que te preocupas?”.

.

– Porque o Homem Se Mata – Ensaio de Psicologia Criminal, Luíz Angelo Dourado, pg. 81

Livre de vírus. www.avast.com.
Publicado em amor, Leitura

Georgia Peaches and Other Forbidden Fruit

Author’s Note

GEORGIA_PEACHES_AND_OTHER_FORB_1463346684584696SK1463346684B

Faith is important to a lot of the world and for far too many queer youth, growing up with religion can be a painful experience. I wanted this novel to be something a young queer person of faith could hold on to as a bright spot while they navigate the waters of finding themselves. Maybe this story is too optimistic or maybe it’s exactly where we are in an exciting time of change, but as Althea says to Jo, didn’t God make you in his image? Aren’tyou worthy of that love?

You will know when you feel safe. (Your gut is a powerful self-protector!) You will know the right time to tell your faith community. You will know if you can’t. You may need a new faith community. You may leave religion altogether. But if a faith community is important to you, then you should be able to have it. And if you are an ally reading this book, stand up for your queer friends and don’t make room for hate in your belief systems.

As you walk away from this novel, there’s one thing I’d like you to take with you […], and that’s the knowledge that there are many people in the world who think you are perfect just the way you are.

Go out and find them.

– Jaye Robin Brown

Publicado em Leitura, Progresso!

027 – Ler 50 livros – não comics. Parte 3

Opa! Mais dez livros pra conta! Agora falta menos da metade. Até 2019 dou conta, hehe.

Vamos lá:

21 – 11.01.2017 – Pax – Sara Pennypecker (♥♥♥♥♥♥♥♥)

PAX_1464978188589315SK1464978188B Peter e sua raposa são inseparáveis desde que ele a resgatou, órfã, ainda filhote. Um dia, o inimaginável acontece: o pai do menino vai servir na guerra, e o obriga a devolver Pax à natureza. Ao chegar à distante casa do avô, onde passará a morar, Peter reconhece que não está onde deveria: seu verdadeiro lugar é ao lado de Pax. Movido por amor, lealdade e culpa, ele parte em uma jornada solitária de quase quinhentos quilômetros para reencontrar sua raposa, apesar da guerra que se aproxima. Enquanto isso, mesmo sem desistir de esperar por seu menino, Pax embarca em suas próprias aventuras e descobertas.
Um romance atemporal e para todas as idades, que aborda relações familiares, a relação do homem com o ambiente e os perigos que carregamos dentro de nós mesmos.

Minha opinião: Chorei! A última cena vai ficar comigo, certeza. A história é toda amorzinho, tipo Sessão da Tarde mesmo. Bom passatempo. 🙂

22 – 24.01.2017 A Sala dos Répteis (Desventuras em Série #2)Lemony Snicket (♥♥♥♥♥♥♥♥)

23 – 26.01.2017 – The Well Of Loneliness – Radclyffe Hall (♥♥♥♥♥♥)

24 – 09.02.2017 – O Lago das Sanguessugas (Desventuras em Série #3) – Lemony Snicket (♥♥♥♥♥♥♥♥♥)

25 – 13.03.2017 Serraria Baixo-Astral (Desventuras em Série #4)Lemony Snicket (♥♥♥♥♥♥♥♥)

26 – 15.02.2017 – Menina Má – William March (♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥)

MENINA_MA_1458835413572351SK1458835413BPublicado originalmente em 1954, MENINA MÁ se transformou quase imediatamente em um estrondoso sucesso. Polêmico, violento, assustador eram alguns adjetivos comuns para descrever o último e mais conhecido romance de William March. Os críticos britânicos consideraram o livro apavorantemente bom. Ernest Hemingway se declarou um fã. Em menos de um ano, MENINA MÁ ganharia uma montagem nos palcos da Broadway e, em 1956, uma adaptação ao cinema indicada a quatro prêmios Oscar, incluindo o de melhor atriz para a menina Patty McComarck, que interpretou Rhoda Penmark.

Rhoda, a pequena malvada do título, é uma linda garotinha de 8 anos de idade. Mas quem vê a carinha de anjo, não suspeita do que ela é capaz. Seria ela a responsável pela morte de um coleguinha da escola? A indiferença da menina faz com que sua mãe, Christine, comece a investigar sobre crimes e psicopatas. Aos poucos, Christine consegue desvendar segredos terríveis sobre sua filha, e sobre o seu próprio passado também.

MENINA MÁ é um romance que influenciou não só a literatura como o cinema e a cultura pop. A crueldade escondida na inocência da pequena Rhoda Penmark serviria de inspiração para personagens clássicos do terror, como Damien, Chucky, Annabelle, Samara, de O Chamado, e o serial killer Dexter.

Minha opinião: Adorei que podemos acompanhar o ponto de vista da mãe, das desconfianças até a constatação do caráter da filha e as ferramentas que ela usa pra lidar com isso. É um foco diferente e empolgante. Rhoda, meiga, sorridente e com covinha, encanta a todos, mas tem uma das ganâncias mais severas que eu já vi.

O desenrolar da história sobre os anos iniciais de Christine também me chamou muito, mesmo que tenha sido usado como explicação para o comportamento atual de Rhoda (um tanto psicanalítico, como muitos outros pontos do livro – repressão de memórias e sonhos reveladores principalmente).

O filme é bem fiel ao livro, a atriz que faz Rhoda é apaixonante! O final foi alterado, por causa da política da época, então gostaria muito de vê-lo adaptado aos dias de hoje.
Já estou com saudades da Rhoda.

27 – 20.02.2017 – Inferno no Colégio Interno (Desventuras em Série #5) – Lemony Snicket (♥♥♥♥♥♥♥♥♥)

28 – 01.03.2017 – O Elevador Ersartz (Desventuras em Série #6) – Lemony Snicket (♥♥♥♥♥♥♥♥♥)

29 – 21.03.2017 Uni-Duni-TêM. J. Arlidge (♥♥♥♥♥♥♥♥♥)

UNIDUNITE_1471551388606216SK1471551388BUm assassino está à solta. Sua mente doentia criou um jogo macabro no qual duas pessoas são submetidas a uma situação extrema: viver ou morrer. Só um deverá sobreviver. Um jovem casal acorda sem saber onde está. Amy e Sam foram dopados, capturados, presos e privados de água e comida. E não há como escapar. De repente, um celular toca com uma mensagem que diz que no chão há uma arma, carregada com uma única bala. Juntos, eles precisam decidir quem morre e quem sobrevive. Em poucos dias, outros pares de vítimas são sequestrados e confrontados com esta terrível escolha. À frente da investigação está a detetive Helen Grace, que, na tentativa de descobrir a identidade desse misterioso e cruel serial killer, é obrigada a encarar seus próprios demônios. Em uma trama violenta que traz à tona o pior da natureza humana, Grace percebe que a chave para resolver este enigma está nos sobreviventes. E ela precisa correr contra o tempo, antes que mais inocentes morram.

Minha opinião: Que boa surpresa! Encontrei esse livro por acaso e a sinopse me despertou interesse. Os primeiros capítulos me pegaram e fiquei presa até o final da leitura! Mistério na medida certa, adorei a narrativa, especialmente nos últimos momentos: o ritmo me manteve cativa.

Pontos adicionais por ter 90% da trama definida por mulheres. Muito bom, pra variar um pouco das histórias policiais atuais.

30 – 29.03.2017 – Redoma – Meg Wolitzer (♥♥♥♥♥♥♥♥♥)

Cheers, kiddos!

Publicado em Leitura, Psicologia

Os Olhos do Abismo

Júlia Kendall, a personagem título da série Aventuras de uma Criminóloga, discorrendo sobre a profissão. Acho lindo, acho factual, me identifico pacas. ❤

digitalizar0092

Em Júlia Kendall – Aventuras de uma Criminóloga, #1. Editora Mythos.

Publicado em Leitura, Progresso!

027 – Ler 50 livros – não comics. Parte 2

Esse post demorou um cadinho pra sair, justamente porque a maior parte das minhas leituras atualmente é de comics. Mas vamos que vamos, que até 2019 eu consigo juntar cinquenta livros lidos.

Oremos.

Então, continuando:

11 – 20.10.2016 – 101 Fatos Sobre Star Wars – Jonas Silvestre (♥♥)

12 – 21.10.16 Guardians – Micaela & MaireLuciane Rangel (♥♥)

13 – 24.10.2016 – Fernão Capelo Gaivota – Richard Bach (♥♥♥♥♥♥♥♥)

14 – 10.11.16 Vida Após a MorteDamien Echols (♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥)

Aos dezoito anos, Damien Echols foi apontado como líder de um grupo satavida_apos_a_morte_1367355561bnista e principal responsável pelo assassinato de três garotos de oito anos em West Memphis, no Arkansas. Após um julgamento marcado por falsos testemunhos, provas manipuladas e histeria pública, em 1994 seus amigos Jason Baldwin e Jessie Misskelley foram condenados à prisão perpétua, e Damien foi enviado ao corredor da morte, onde aguardaria sua execução. As irregularidades gritantes no desenrolar do processo, bem como a apatia dos advogados de defesa, chegaram ao conhecimento do público dois anos depois, quando a história conquistou repercussão mundial através de um documentário. Nos anos seguintes, foram produzidos outros três documentários sobre o caso e a causa foi abraçada por celebridades de Hollywood, que se empenharam vigorosamente para que a justiça fosse feita, o que culminou com a libertação do trio de West Memphis em 2011.

Minha opinião: Adoooooro livros sobre casos reais de crimes ou sobre o processo criminal! Apesar do título meio religioso, a história contada pelo próprio Damien me pegou de jeito. De uma forma bem cativante, ele conta sobre sua vida desde o início e sobre os eventos que levaram à sua acusação, como foi seus anos como encarcerado, como conheceu a atual esposa que o ajudou a ser reconhecido como inocente e um pouco dos rumos que sua vida tomou após alcançar a liberdade. O livro trás boas reflexões e ele até foi citado aqui no blog durante a leitura (aqui, aqui e aqui). As fotos ao final são ótimas e ajudam a ilustrar a narrativa, apesar de que se você googlar Damien Echols ou o Trio de West Memphis não faltarão fotos e vídeos. O fato do Johnny Depp ter sido um dos grandes apoiadores de Damien também me influenciou muito a dar início a leitura (os dois se tornaram grandes amigos e até fizeram tatuagens semelhantes).

15 – 04.12.2016 – Um Tom Mais Escuro de Magia – V. E. Schwab (♥♥♥♥)

16 – 09.12.16 NimonaNoelle Stenvenson (♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥)

17 – 19.12.2016 – A Matemática nos Tribunais – Uso e Abuso dos Números em Julgamentos – Leila Schneps e outros (♥♥♥♥♥♥♥♥)

a_matematica_nos_tribunais__1400869249bUm criminoso está prestes a ser libertado por efeito de um cálculo errado. A enfermeira Lucia de Berk será condenada à prisão por causa de uma contagem dupla. Um militar francês definha no cárcere por culpa de uma probabilidade altamente improvável. Dois jovens são soltos, embora possam ter assassinado brutalmente uma colega. A Matemática nos Tribunais analisa dez casos que ilustram como até agora a estatística tem ajudado a engrossar a fileira dos erros judiciais – pelo mau uso dos números em julgamentos. São histórias reais que demonstram como a matemática pode ser, de fato, uma questão de vida ou morte. Sem deixar de fora todos os elementos e o ritmo de uma boa história de mistério, cada um dos casos é investigado em detalhes. Da reconstituição do crime à ação dos principais personagens envolvidos – entre réus, advogados, testemunhas, promotores e peritos -, as autoras conduzirão o leitor pelos labirintos forenses e apontarão os equívocos cometidos pelo mau uso (ou má compreensão) dos números no processo legal.

Minha opinião: Um tema bem diferente dentro das minhas leituras de criminologia. Achei muito interessante e me abriu campo para novos pensamentos e considerações. O último caso apenas que não me prendeu muito, mas os outros nove não deixaram a desejar. Exceto, é claro, pelo fato de que alguns ainda estão em tramite, o que impede de sabermos dos desfechos pelo livro.

18 – 02.01.2017 As Mil NoitesE. K. Johnston (♥♥♥♥♥)

as_mil_noites_1468967193598129sk1468967193bQuando Lo-Melkhiin chega àquela aldeia — após ter matado trezentas noivas —, a garota sabe que o rei desejará desposar a menina mais bela: sua irmã. Desesperada para salvar a irmã da morte certa, ela faz de tudo para ser levada para o palácio em seu lugar. A corte de Lo-Melkhiin é um local perigoso e cheio de beleza: intricadas estátuas com olhos assombrados habitam os jardins e fios da mais fina seda são usados para tecer vestidos elegantes. Mas a morte está à espreita, e ela olha para tudo como se fosse a última vez. Porém, uma estranha magia parece fluir entre a garota e o rei, e noite após noite Lo-Melkhiin vai até seu quarto para ouvir suas histórias; e dia após dia, ela continua viva.

Minha opinião: Esse foi o livro do Turista Literário de Outubro/2016 e na verdade, se não o fosse, eu não o teria escolhido para ler de outra forma. A edição é lindíssima! Adorei a textura da capa e a cor. No entanto, alguns capítulos – onde o ponto de vista muda – são escritos com uma fonte que dificulta um pouco a leitura.

Gostei da personagem principal, ela é cativante e a autora conseguiu me prender num livro que é bem diferente do que costumo ler. Eu estava gostando bastante da história e querendo ver onde ia, como que a personagem conseguia escapar da morte por mil noites. Mas, de um certo ponto pra frente, o rumo mudou de um jeito que fiquei bem “WTF” no processo. Confesso, não gostei muito, mas como eu disse, a autora me manteve cativa pelo estilo de escrever. Ainda tô me questionando se realmente se passaram mil noites na narração, porque até me pareceu bem menos.

Enfim, não é meu estilo, não recomendaria, não gostei do rumo, mas valeu pela experiência. 

19 – 02.01.2017 – A Condessa Sangrenta – Alejandra Pizarnik (♥♥♥♥)

20 – 09.01.2017 The Last Train Home Blayne Cooper (♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥)

the_last_train_home_1284395526b It might have been the Gilded Age for the likes of Rockefeller and Carnegie—but newly arrived immigrants and poverty-stricken Americans packed into Manhattan’s teeming Lower Eastside were lucky to make ends meet. In this tumultuous time, factory worker Virginia Chisholm hopes for more, but her dreams go up in smoke when a tenement blaze rips her family apart. Aided by Lindsay Killian, the street-wise, rail-riding drifter she meets in a charity hospital, Ginny follows the orphan train that has taken her siblings west. The desperate quest to reunite her family takes the young women from the slums of New York City to the farms of West Virginia and the bustling frontier beyond. This harrowing journey moves Ginny and Lindsay from one mishap and adventure to another. It also leads them from friendship to a tender and unexpected romance.

Minha opinião: Ahhhhh!! Blayne Cooper! Uma das minhas autoras favoritas desde a adolescência, quando comecei a ler as fanfictions dela que se tornaram livros. Cada narrativa dela é uma aventura, pois ela consegue navegar nos diferentes estilos com muita facilidade. The Last Train Home é um pouco mais sombrio, mas sem deixar de ter os traços de humor que lhe são bem característicos.

É a terceira vez que leio esse, assim como eu já reli outros livros da autora, de tempos em tempos. É como revisitar velhos amigos. As histórias e os personagens ficam na mente e me acompanham por longos períodos. A leitura é tranquila e divertida, sem perder as partes emocionantes. Eu só lamento que os livros dela não sejam mais difundidos. São ótimos! 🙂

Cheers, kiddos!