Publicado em Fangirl-isms, Fotos, Games, Nerdices, Xbox One

Motivos para amar Assassin’s Creed Syndicate

ACS_Promotional_Screenshot_16

Embora eu não tenha jogado TODOS os jogos da franquia ainda, Assassin’s Creed sempre foi um título garantido na minha lista de compras e cada parte da saga me deixava entretida por horas a fio. No entanto, com o passar das histórias, tanto a similaridade entre o trajeto de cada assassino como a mecânica meio truncada do jogo me deixou desanimada.  Acabei deixando minha última aquisição – Black Flag – inacabada.


O ambiente.

ACS_Gamescom_Promotional_Screenshot_3

Mas quando eu soube que o próximo cenário seria na Londres vitoriana eu não resisti e resolvi dar mais uma chance aos Assassinos. Eu adoro a era vitoriana e não tinha como deixar um jogo em mundo aberto que se passa nessa época de lado.


Evie Frye.

Evie_Frye

Não bastasse o primeiro chamariz, quando vi as primeiras imagens de Syndicate, me empolguei de vez: Uma mulher! Uma Assassina! Pela primeira vez em toda a franquia, uma personagem feminina jogável! UAU! Não dá pra acreditar que em pleno 2017 isso ainda seja um motivo de surpresa.

Evie Frye, poderosíssima, é irmã gêmea – mais velha por quatro minutos – de Jacob Frye (que é o típico Assassino já retratado tantas vezes nos jogos anteriores). Habilidosa, inteligente, carismática e tão protagonista quanto o irmão. Você pode selecionar com quais dos dois jogar, exceto em partes específicas, já que cada irmão toma caminhos diferentes no desenvolver da história, e CLARO que estou jogando com Evie em todas as oportunidades, só oferecendo ao Jacob o básico necessário pra que ele cumpra as missões dele.

É um alívio, como mulher gamer, ver outra mulher fazer parte e estar à frente de um título poderoso como AC. E sem ser objetificada ou subjulgada por isso. Tendo jogado apenas com homens Assassinos até então, posso dizer que o fato de percorrer os desafios com uma Assassina faz sim diferença na minha experiência, se não no jogo em si. Representatividade importa, gente. Ainda mais tendo os índices de mulheres gamers aumentado tanto ultimamente.


Representatividade.

maxresdefault

Não só Evie Frye toma liderança em Syndicate, mas muitas outras mulheres também. Claro, a maioria em papéis de vilã – líderes de gangues, snipers dos Blighters e a braço-direito de Crawfors Starrick, o malvadão da história -, mas ainda assim, rostos femininos que fazem a diferença.

Tem também uma personagem transexual! UAAAU! Ned Wynert (nascido Henrietta), é um homem de negócios e aliado de Evie e Jacob (e ouvi dizer que foi baseado em um personagem real). Ele está sempre por perto e no ponto do jogo em que estou ainda não ouvi uma palavra sequer sobre seu gênero, o que é fantástico!


Celebridades!

Por último, mas não menos importante, alguns célebres desfilam por nosso querido jogo e nos permitem ter pequenos deslumbres de como eles podem ter sido em seu tempo. Alexandre Graham Bell, Karl Marx, Charles Darwin, Charles Dickens e Jack, o Estripador, sendo os maios famosos deles.


Se, como eu, você havia aberto mão de Assassin’s Creed como um todo, ou se por qualquer motivo ainda não decidiu que seria uma boa ideia se aventurar pelas úmidas ruas londrinas, aceite minha sugestão de um bom passatempo e divirta-se – seja com a Evie ou com o Jacob.


“Uma revolução diferente está nascendo. Mais sutil. Uma chama das cinzas de uma velha irmandade. Nós vamos ressuscitar.” – J. Frye


Cheers, kiddos!

Publicado em Fangirl-isms, Filmes, Fotos, Games

Alicia Vikander como Lara Croft

A Vanity Fair em reportagem exclusiva divulgou as primeiras imagens oficiais de Alicia Vikander como Larinha no novo filme de Tomb Raider.

Referências aos últimos jogos da Square Enix são bem explícitas, tanto no visual quanto no enredo do filme, que narra como, sete anos após o desaparecimento de seu pai, Lara Croft, agora com 21 anos, se recusa a assumir os negócios do pai. Em dado momento, ela resolve investigar o sumiço do pai e viaja para o último destino conhecido dele: uma ilha em algum lugar da costa japonesa.

Alicia Vikander, ganhadora do Oscar de melhor atriz coadjuvante por Garota Dinamarquesa, está animada com a oportunidade de encarnar uma heroína de games que também é um modelo positivo para meninas. Porém, como fã de Lara, tenho que admitir que a atriz não preenche tão bem uma calça cargo quanto a versão digital da personagem (/comentário fútil detected).

.

Tomb Raider, dirigido por Roar Uthaug, estreia em Março de 2018.

Publicado em Fangirl-isms, Fotos, Séries

Wanna know how batshit I am? Nobody shoots my family, but me.


 

Wynonna-Earp-102-8

 

Publicado em Fangirl-isms, Letras que dizem tudo, Música, Séries, Vídeos

Love will be cruel to who it entices

Cause I’ve been diggin’ a little suffering today.

Publicado em Fangirl-isms, Leitura, Progresso!

030 – Ler Rachel Rising

rachel

 

Rachel Rising é uma revista em quadrinhos americana, publicada de forma independente desde agosto de 2011 pelo seu próprio criador, o escritor e desenhista Terry Moore. A serie tem como protagonista Rachel, uma mulher que “acorda” após ter sido assassinada e enterrada em uma cova rasa.

As obras de Moore se caracterizam pela presenca de mulheres de personalidade forte como protagonistas, ainda que ele adote diferentes generos para cada uma: Rachel Rising segue o gênero “terror“, algo consideravelmente diferente da ficção científica de Echo e da comédia romântica de Strangers in Paradise. Em 2012, Rachel Rising foi indicada ao Eisner Award, na categorias de “Melhor Série e no ano seguinte foram anunciados planos para a produção de uma série de televisão baseada na revista. (retirado da Wikipedia)

.

Que saudade que eu tava do tio Terry Moore! Depois de Strangers in Paradise eu o acompanhei, mas mais de longe. Ler mesmo, só o Fugitivos, onde ele contribuiu com a Marvel – coisa linda. Tinha até começado a outra serie dele, Echo, mas larguei. Quando vi que Rachel Rising estava chegando ao fim não pensei duas vezes, era hora de me entranhar no mundo maravilhoso da escrita dele novamente!

And I have no regrets! Agradecendo às boas almas que disponibilizam os arquivos em cbr., uploadei tudo pro tablet e li os 42 números em poucos dias – desejando que aquilo não acabasse tão cedo. O senso de humor dele que eu tanto amo estava lá, as mulheres maravilhosas que ele descreve tão bem estavam lá, os personagens únicos, os plot twists, as reflexões, as referências à cultura espalhadas pelos quadrinhos… Tudo que eu adooooorava em SiP estava lá. Agora tô aqui esperando que aquele cliffhanger vire um sequência ou que parta para a telinha como está sendo cogitado. 🙂

Echo – tô de olho em você agora!

Cheers, kiddos!

Publicado em Blá blá blá..., Fangirl-isms, Games, Letras que dizem tudo, Música, Vídeos

Mixtape masterpiece!

Vi hoje um prompt pra journaling que sugere o seguinte, “Você faz um novo amigo. Faça-o uma mix tape (ou uma playlist para os mais jovens) que diga a ele quem você é através de música”.

Eu realmente ia fazer isso no meu diário de papel, mas gostei tanto desse prompt que já o visualizei com trechos da letra e os vídeos para ilustrar e pensei em compartilhar por aqui também.

Nem todas as músicas são estritamente sobre mim, no sentido biográfico da coisa, mas ajudam a expressar o estado de espírito atual em que me encontro, ou alguma situação específica. Bem, em nenhuma ordem em particular, eu lhes ofereço:

The Scattered Mixtape! 

Outubro de 2016

 

1 – Born This Way – Lady Gaga

No matter gay, straight, or bi
Lesbian, transgendered life
I’m on the right track, baby
I was born to survive
No matter black, white or beige
Chola or orient made
I’m on the right track, baby
I was born to be brave

Essa música é um hino pra mim! A letra é simples, mas constata  talvez a maior das verdades: Eu sou bonita da minha maneira. Sim, porque mesmo depois dos trinta a gente ainda precisa de uma auto-afirmação às vezes, né? Se essa música existisse quando eu era teen, meu Girl Power teria sido muito mais power, com certeza, principalmente porque aborda muito da questão não-heteronormativa. Mas naquela época, as Spice Girls até que davam conta do recado.

Certo dia coloquei essa música no repeat enquanto pedalava pro trabalho. Foi um perigo pra quem tava na ciclovia comigo, por que o quanto que se pode dançar numa bicicleta, né nom? Hohoho.

 

2 – It’s a Long Way to the Top (If You Want to Rock n Roll) – AC/DC

Gettin’ robbed
Gettin’ stoned
Gettin’ beat up
Broken boned
Gettin’ had
Gettin’ took
I tell you folks
It’s harder than it looks

Uma das opções de música de entrada pra minha formatura de graduação. Porque sempre tive aquela sensação na vida de pegar o caminho mais longo, mais complicado, mais demorado, de ser sacaneada, usada, passada pra trás… Parece que sempre alguém leva a melhor e esse alguém não sou eu. Mas no final, vale a pena, vem o rock ‘n’ roll, a certeza de que minha parte eu fiz e de acordo com meus valores, tentando minimizar danos a terceiros. E isso, nada paga.

3 – Santa Fe – Rent

We’ll pack up all our junk
And fly so far away
Devote ourselves to projects that sell
We’ll open up a restaurant in Santa Fe
Forget this cold Bohemian hell

Ahhh… RENT! O primeiro musical Broadwayriano moderno a gente nunca esquece! Depois de alguns anos sendo fangirl da montagem do palco, chorei que me acabei quando vi o filme, materializado com o elenco original (ou boa parte dele). Um sonho que eu espero que se repita com Wicked em breve.

Dentre tantos números espetaculares e que falam tanto a mim, Santa Fe traduz um sentimento bem decorrente de empolgação com novos projetos que eu e Minha Téia volta e meia temos. Aquele de deixar algo velho de lado e se dedicar a algo novo por conta de um insight súbito, sabe? Dá uma sensação boa de possibilidade, que realmente dá vontade de sair dançando assim dentro dos metrôs. Se eu fosse uma pessoa que dançasse, claro. E se tivesse metrô por aqui. Heh.

4 – Carry On – Fun.

If you’re lost and alone
Or you’re sinking like a stone
Carry on
May your past be the sound
Of your feet upon the ground
Carry on

Essa tem elementos básicos que me chamam numa música: letra sobre resiliência, empolgação e coro. Eu AMO música que começa devagar, lenta e vai acelerando, com batidão. Dá uma coisa no corpinho! E esse coro que tem em muitas das músicas do Fun. quase compensa o tom da voz do cantor pra mim. É linda essa música. ❤

5 – Conversa de Botas Batidas – Los Hermanos

Abre as cortinas pra mim
Que eu não me escondo de ninguém
O amor já desvendou nosso lugar
E agora está de bem

Deixa o moço bater
Que eu cansei da nossa fuga
Já não vejo motivos
Pra um amor de tantas rugas
Não ter o seu lugar

Ai, acho que essa fala toda por si. Eu já não me escondo de ninguém. Foi-se a época.

6 – Fala – Secos & Molhados

Eu não sei dizer
Nada por dizer
Então eu escuto
Se você disser
Tudo o que quiser
Então eu escuto
Fala

Bemm… eu tenho isso mesmo. Sou uma boa ouvinte, eu acho, mas na hora de falar é terrível, porque eu realmente não sei dizer nada por dizer. Constatar óbvio, então, é terrível. Isso me causa certos problemas, porque esperam que eu traga grandes contribuições por ser psicóloga, mas se eu acho que o que eu vou dizer já tá subentendido eu tenho dificuldades em dizer mesmo.

7 – Don’t Tell Me – Madonna

Tell me love isn’t true
It’s just something that we do
Tell me everything I’m not
Don’t ever tell me to stop

Porque às vezes o que a gente mais precisa é de alguém que nos dê um não pra nos motivar, né? Acontece, já aconteceu e ainda vai me acontecer muito. Sou fera em tirar forças de momentos adversos. 😉

8 – I Have Confidence – The Sound of Music

I have confidence in sunshine
I have confidence in rain
I have confidence that spring will come again
Besides which you see I have confidence in me

Fräulein Maria está prestes a conhecer o Capitão Von Trapp e seus sete filhos e não poderia estar mais nervosa. Ela tenta se convencer de que é capaz de lidar com qualquer coisa que eles lhe apresentem, porque ela tem confiança no sol, na chuva, na primavera e nela mesma! Pra provar isso ela sai cantando e saltitando com as malinhas na mão até chegar no portão imponente do casarão onde a família reside. A confiança lhe falta um pouco, mas com passos firmes ela se reafirma que ela confia na confiança também e manda ver!

Sério, melhor analogia pra mim frente à novos desafios. Eu sendo a Fräulein Maria e o desafio sendo o Capitão Von Trapp, claro. Com ou sem apito.

9 – Just a Girl – No Doubt

Don’t you think I know
Exactly where I stand?
This world is forcing me
To hold your hand

Nossa, poderia colar a letra inteira aqui! Essa música é toda perfeita em seu feminismo pop anos 90. E esse visual meio Tank Girl pré-apocalipse da Gwen era o máximo! Posso passar tempos sem ouvir Just a Girl, mas a letra tá toda gravada na minha mente e acho ela uma delícia de cantar. 🙂

 

10 – Mona Lisas and Mad Hatters – Heart

I thank the Lord for the people I have found

While Mona Lisas and mad hatters
Sons of bankers, sons of lawyers
Turn around and say, “good morning” to the night
For unless they see the sky, but they can’t and that is why
They know not if it’s dark outside or light

Originalmente é o Elton John quem canta, mas prefiro a versão das irmãs Wilson (tem uma lindíssima também das Indigo Girls). A música desenrola que é uma delíiiicia, mas esse trecho em especial me pega demais. Sou muito saudosista e me pego pensando nas pessoas da minha vida frequentemente, pessoas com quem não tenho mais o mínimo contato, me perguntando se elas se lembram de mim também. E os atuais sujeitos do meu cotidiano também me são valiosíssimos, mind you. Sou agradecida sim por eles também.

O segundo trecho me remete aos coxinhas, ou little thighs (haha), com quem temos que lidar hoje em dia. Galerinha que não sabe diferenciar a noite do dia, mas acha que pode ditar a vida e os direitos alheios. Hunf.

 

11 – I Shall Rise – Karen O

They’ll know my name
After the storms are passing through
They’ll know my name
When they’ve forgotten all about you

And I shall rise, oh well I shall rise
Again and again

Uma coisa que senti muita falta em Rise of the Tomb Raider foi da musiquinha tema maneira que teve em Tomb Raider. Aqueles violinos davam o tom certo pro jogo. PORÉM!, quando zerei ROTTR e os créditos começaram a subir com ESSA MÚSICA, com essa letra, depois de toda aquele drama de Sibéria e madrasta e Trinity e sei lá mais o quê… PQP!!! Foi muito perfeito! Fui uma gamer satisfeita! Dificilmente eu vi algo se encaixar tanto quanto essa música e a saga de Lara. Apaixonei na hora! ❤

Ah sim, mais uma música de resiliência. It’s a theme. 😉

12 – How We Operate – Gomez

Turn me inside out and upside down
And try to see things my way
Turn a new page, tear the old one out
And I’ll try to see things your way

Ok, relacionamento. Julgo eu que tenho facilidade em me colocar no lugar do outro e intercalar pontos de vista. Muito da minha indecisão vem disso. Demoro a me posicionar por conta disso também. As coisas não são tão preto e branco pra mim, eu vejo toda uma área cinza no meio e às vezes é muito difícil lidar com ela.

13 – Happy – Pharrell Williams

Because I’m happy
Clap along if you feel like a room without a roof
Because I’m happy
Clap along if you feel like happiness is the truth
Because I’m happy
Clap along if you know what happiness is to you
Because I’m happy
Clap along if you feel like that’s what you wanna do

Nhoin! Toda good vibes, essa é outra que é um perigo para meus colegas de ciclovia. E tem palmas, né? Só piora as coisas. E tem um clipe 24 horas! E fala muito a mim, porque no geral eu sou bem felizinha mesmo. 🙂


Certo, essa seria minha mixtape de apresentação a um novo amigo. Será que dá pra ter uma ideia de onde ele está se metendo? 🙂

Faz uma também!

Cheers, kiddos!

Publicado em Fangirl-isms, Games, Nerdices, Vídeos, Xbox One

Power Rangers pra consoles!

Parte da minha infância está voltando com tudo ano que vem! Power Rangers volta além de com o filme agora também com um jogo de video game, que foi anunciado recentemente pela Bandai Namco.

O jogo Mighty Morphin Power Rangers Mega Battle, tem visual clássico da série, com os personagens originais dos anos 90 e jogabilidade beat em up da mesma época também, e vai ser lançado logo em Janeiro para Steam, PS4 e meu querido Xbox One! ❤

 And it’s looking mighty nifty:

Esta criança grande ficou MEGA animada com essa notícia! 🙂

Publicado em Fangirl-isms, Letras que dizem tudo, Música, Séries

Crazy chick with a gun!

Well I gave you all I got to give
I know that ain’t no way to live
So I told that devil to take you back
I told that devil to take you back

e879c53e-64f5-4395-81ca-3fd621becf54

Estou há um episódio do final de Wynonna Earp (atrasada, sim, mas justificada) e de começar a sofrer de abstinência. Eu SEI que vou sofrer, porque essas séries tosqueiras assim são bem meu tipinho. Não foi à toa que esperei ser confirmada a segunda temporada pra começar a assistir. Heh.

E olha que decidi começar agora também só pra protelar o finale da quarta temporada de Orphan Black. Agora vou ter abstinência de dois fandoms. Gsuis.

Começando a caçar um tapa-buraco digno. 😉

Publicado em amor, Fangirl-isms, Nerdices

Expecto Patronum!

O Pottermore disponibilizou o Patronum! Agora podemos descobrir qual o espírito animal que nos protegerá contra os dementadores, a depressão e outras artes das trevas. O meu deu muito certinho, um gato Cálico – que nada por acaso tenho tatuado no braço! Muuuuito amor!!! ❤

 

captura-de-tela-inteira-22092016-104642-bmp